<

« Home | "Os refugiados do lulismo" » | Valores... » | "SOMBRA" » | CONTRA A ANISTIA POLÍTICA A JOSÉ DIRCEU » | UM ASSASSINATO E DOIS CUIDADOS » | MISTÉRIO » | ALGUÉM » | NÃO ACABOU » | O ESTADO DE S. PAULO - Editorial 24/11/2006 » | FILOSOFIA DO SEGREDO »

Em busca do tempo perdido



Os dias talvez sejam iguais para um relógio,
mas não para um homem.
Marcel Proust, Em busca do tempo perdido



Há seis anos restam impunes os crimes de seqüestro, tortura e assassinato do prefeito de Santo André (SP) CELSO DANIEL.

Como se fosse um paliativo, um emplastro para diminuir a dor, sua família recebeu, na semana que passou, vistos de refugiados políticos na França, onde passam a morar por uma questão de segurança.

O Brasil não lhes garante a segurança. O Brasil se reconhece no Brasil que cala os mortos com outras mortes.

Aos 50 anos, Celso Daniel era um homem bonito, culto, inteligente, em ascensão no Partido dos Trabalhadores, na política, na vida.

Não deixa de ser tragicômico que seus companheiros de partido – Lulla, Marta, Zé Dirceu – estejam hoje buscando o que já foram há seis anos ou mais. Botox, peeling, enxertos de cabelo, tudo para voltar ao que parou para Celso Daniel há 6 anos.

Celso Daniel não envelhece e está insepulto. Seus companheiros estão envelhecendo e fugindo da morte. Querem voltar no tempo na aparência física, mas sem os transtornos passados.

O tempo também ajuda a esquecer o homem bonito, de 50 anos, professor universitário, vítima fatal de violência nunca esclarecida. Fico pensando se Celso Daniel estaria hoje, aos 56 anos, se vivo, injetando botox na testa, fazendo peeling facial, enxertando cabelos nas entradas calvas. Talvez. Não conheço ninguém que goste de se ver próximo da morte.

Mas ele morreu bonito e jovem. Não precisou gastar seu tempo e dinheiro para recuperar um tempo que para ele não passará. É fato, não adianta negar, não se recupera o tempo vivido fisicamente. Seus companheiros podem fingir à vontade que têm 30, 40, 50 anos de idade, mas suas histórias são mais longas, mais cicatrizadas a laser, mais recauchutadas.

Seis anos de tempo perdido irrecuperável. Para Celso Daniel e para todos os seus companheiros, quer queiram, quer não.


Puxa, que pena tá dificiu jogar um cadaver no quintal do PT.
Se fosse qualquer outro partido seria mais fácil.

Mas quando foi que Celso Daniel saiu do quintal do PT?

E crime mal investigado, a sociedade sabe quem matou celso Daniel, e so segui-la

Postar um comentário